segunda-feira, 23 de novembro de 2009

PODER COMPARTILHAR

Se a alegria era tão grande, por que ela não me bastava, porque precisava contar? Não posso ser feliz sozinha? Quando acontece uma coisa bem boa, qual é meu primeiro impulso? Contar para alguém; aliás, contar para vários alguéns, contar para o mundo. Eu pego o telefone e vou ligando, pela ordem de amizade, só que nem sempre o universo conspira a meu favor.
Outro dia, às 2 horas da tarde, tive uma boa notícia e corri para o telefone. Na primeira chamada, atendeu a secretária eletrônica, mas nem deixei recado. Na segunda, o celular estava fora de área, na terceira, ouvi um "não está dando para falar agora, te ligo mais tarde"; a partir daí, nem lembro mais. Só poderia contar minha alegria a alguém muito íntimo, e tive aí o primeiro susto: quantos amigos íntimos eu tenho? Poucos, muito menos do que eu imaginava.
Será que Roberto Carlos conseguiu ter um milhão de amigos? Se eu tenho tão poucos, a culpa deve ser minha, claro, que não procuro ninguém, e quando me convidam para alguma coisa, com raras exceções, arranjo uma desculpa e digo não posso ir. Aí fico pensando: preciso mudar. Vou começar abrindo minha agenda e ligando para pessoas que não vejo há seculos para dar um alô, dizer que estou com saudades, perguntar pela vida e terminar a conversa com o inevitável "vamos combinar de almoçar, te ligo". E aí, vou ligar? Já sei que não, e se a pessoa me ligar, talvez diga que estou cheia de trabalho, na segunda-feira vou viajar, que telefono quando voltar. Difícil ser difícil, e difícil deixar de ser.
Com tudo isso até me esquecí do principal: continuei sem ter com quem compartilhar minha alegria. E é curioso: se minha alegria era tão grande, por que ela não me bastava, por que a necessidade de contar para o mundo? Será que não posso ser feliz sozinha? Por que será que quando se trata de boas coisas preciso que o universo saiba e quando estou triste prefiro ficar muda, sozinha? Fiquei pensando em tudo isso, mas continuei sem ter com quem falar sobre minha alegria, que, àquelas alturas, nem era mais tão grande assim.
O dia foi passando e eu esperando que meus poucos amigos íntimos chegassem em casa para poder contar. Às 7 horas, recomecei a telefonar e, mesmo sem todo aquele entusiasmo, fui logo contando o "acontecido". A reação foi morna. "Ah, mas que ótimo, parabéns, voce deve estar feliz". Mais uma ou duas frases sobre o assunto e a conversa passou a ser a de sempre: a violência do Rio, o quanto vão roubar com as obras da Olimpíada, a próxima eleição, a dieta que não se consegue fazer, a ginástica que vai mal, e daí a pouco a conversa acabou com um "vamos ver se a gente almoça no fim de semana", e ponto.
Um pouco mais, um pouco menos, foi igual com todos os meus poucos amigos íntimos e minha alegria, que tinha sido tão grande, murchou. Eu é que sou louca, pensei, afinal não havia motivo para tanta euforia.
O que será que havia? E lembrei de meu pai e de minha mãe; os pais são as únicas pessoas que têm todo o tempo do mundo para nos ouvir e são solidárias não só nas nossas tristeza como também nas nossas felicidades. Estou sendo injusta, nossos analistas também nos ouvem; mas, às vezes, a gente precisa mais do que quem nos ouça. Precisa que nos ouçam com afeto.
Danuza Leão - Jornal A Tarde
Escultura em argila - Amélia Cabral
Foto I.Moniz Pacheco

3 comentários:

Bípede Falante disse...

Pessoas que compartilham alegrias são pessoas generosas, e a gente deveria saber parar para receber.

Chorik disse...

Putz Ivonete, o artigo da Danuza me serve direitinho, especialmente pelo "quantos amigos íntimos tenho?" e "Se eu tenho tão poucos, a culpa deve ser minha, claro, que não procuro ninguém, e quando me convidam para alguma coisa, com raras exceções, arranjo uma desculpa e digo não posso ir."
Também fiquei pensando se era alegria ou vantagem o que ela queria contar. O diacho é que ela não contou o motivo da alegria e eu sou curioso que só.

aeronauta disse...

Seu texto falou alto em mim, Ivonete. Eu que tenho a mesma agenda há dez anos, sem atualizar. E quando ligo escuto "esse número não existe".
Gostei demais de seu texto. Bjos.