segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Cravo os dentes e a garras nas paredes do mundo. Confesso que implodí, gerando outras formas e forças desconhecidas.
É intensa a dor e a delícia de renascer.
Recolho os retalhos espalhados como restos de celebrações e insisto em montar novas possibilidades. Verifico então que as novas peças não têm encaixe perfeito. O trabalho árduo recomeça.
Foto I.Moniz Pacheco

5 comentários:

aeronauta disse...

Eta menina, estou no mesmíssimo processo! Abraços.

Anônimo disse...

o importante sempre e recomeçar , mesmo que seja um trabalho árduo. bjs Alicinha

Bípede Falante disse...

Que corajoso e lindo texto!

Chorik disse...

Idem, ibidem. Força, vença, arrase.

Lucia Alfaya disse...

Você é a mestra das colagens, os encaixes ocorrem como mágica, lembra? Suas guerras são vencidas uma a uma com suas poderosas garras. Somos fortes e ressurgimos das cinzas como a fênix. O trabalho árduo é o trabalho da vida, vamos em frente!
Beijo, ôto, xau!