sábado, 21 de agosto de 2010



Os dias se amontoam como fardos etiquetados pelos meses. As noites vão e voltam sem tomar conhecimento da minha vigília. Insone, atravesso o tempo que, implacável, crava suas garras deixando marcas no meu corpo. Empertigada, sigo, prossigo, persigo, buscando o impossível, teimosamente acreditando, como um D.Quixote, a lutar silenciosamente e só.

Trabalho selecionado no Salão de Artes Plásticas de Alagoinhas-2006
Foto I.Moniz Pacheco

7 comentários:

Edu O. disse...

Parabéns pela seleção, tia! Lindo trabalho e texto.

Chorik disse...

Esse trabalho é mais complexo que os outros. O texto me deixou preocupado. Estou por aqui, rondando. Qualquer coisa me escreva ou me ligue. 019 9602-0789.
Bj

Bípede Falante disse...

Cho, engraçado como cada um interpreta um texto. Eu senti uma garra enorme nas palavras da Ivonete, uma capacidade de ir além de qualquer forma, agarrando-se à criatividade quixotesca e não à loucura ou ao desânimo.
Adorei o post, Ivonete. E o quadro, coo disse o Cho, está bastante complexo, o que faz dele uma obra ainda mais inspiradora.
bj.

Lucia Alfaya disse...

Que orgulho de ser amiga de Ivonete Moniz Pacheco. Seu texto me emociona. Você está cada vez melhor com as palavras e os pincéis! Esse texto tem que ir pro livro, já está selecionado!
Bjs
Lúcia
PS: vamos à exposição de Edson na quinta?

Nilson disse...

Só. Eis uma palavra e tanto. Gosto dela. Não sei se fico com Chorik ou Bípede Falante: acho que entendi de um outro jeito. E concordo com vc!

aeronauta disse...

Trabalho intenso, denso, como o texto. Ambos muito maduros.
Senti sua falta no lançamento, mas marquemos outro encontro. Abraços.

Terráqueo disse...

Eu senti as garras dentro do meu coração. Gostei de tudo. Do texto, das possibilidades, e da tela que está fantástica. Abraço.